terça-feira, 30 de outubro de 2007

Delirante

É como a árvore que segura o firmamento
e as frutas se disfarçam de estrelas,
para mais tarde...
bem mais tarde...
derramarem suas sementes sobre nós,
e estas, estas loucas sementes
vão acabar por fecundar a poesia
a que adormece em minh'alma
e vão acabar por sepultar o meu corpo
a única conexão com esse mundo carrasco

Carrasco de dores férteis
carrasco de amores molhados,
essas flores,
esses dedos,
esses ossos,
e toda carne...

(carrrrrrrne)

Carne, palavra que escorre na garganta.
Garganta, palavra que anuncia as palavras,
palavra que delicia e,
asmática,
nos faz gozar!

Um comentário: