terça-feira, 31 de março de 2009

Como se fosse ele



Ela é linda e inconstante. Vive me testando... um dia desses eu me canso, ou bato nela. Tento encontrar alguma falha no fundo do olho dela, alguma desconexão, algum desespero que eu desconheça, e o pior é que encontro, mas não digo nada. Quero que ela venha me dizer. Ela é tão difícil quanto bela. Pessoa diferente, não julgo, só deprecio isso quando ela se acha demais... aí eu piso sem dó nessas viagens dela... é tão linda viajando. Gosto dos cabelos dela... eles guardam mil coisas, guardam palavras e sonhos, guardam meus sonhos quando dormimos juntos. Ela sempre sente frio quando dorme comigo, acho que é charme pra ser abraçada. E eu abraço, sem precisar de charme nem nada. Adoro quando ela fica existindo do meu lado... só existindo ali, sentada, distraída com qualquer coisa que não seja eu. Quando conto alguma história ou ensino algo novo ela fica prestando atenção, calada, me medindo com os olhos escuros... queria saber o que se passa ali. Mas não posso, ou não devo. Ela é louca por mim, apaixonada, tanto que às vezes fico perdido na ansiedade dela. Acho que ela tenta me manipular, mas eu já fiz tanto isso... tanto... que sei de todos os truques. Eu quero tudo pra mim. E sei que consigo tudo. Só não sei quando ... ela é tão inconstante... eu a amo.


5 comentários:

Paulo Beck disse...

Ahhh! Lindo!

As coisas que vc escreve parecem as musicas de uma banda que eu ouço

Paulo Beck disse...

Ah, a banda chama Pain Of Salvation. Quando eu li isso me lembrei de uma música que chama In The Flesh

Ana F disse...

Aaaaahh, Laís! Lindo e de verdade!!!

Moça do Fio disse...

É bom sentir isso por alguém.

Parece que ficamos mais humanos. Demasiadamente humanos.

;-))

Roberto Ney disse...

adorei. Me lembrou o llibro da helena parente cunha ( a mulher no espelho),no qual há uma profunda discussão entre a mulher real e a mulher que ela gostaria de ser. seu texto, não sei por que, me trouxe essas intensas lembranças...
abraço!