quinta-feira, 6 de março de 2008

Reflexos: amplexos exagerados de uma cubista nervosa

"And sometimes is seen a strange spot in the sky
a human being that was given to fly"

(Pearl Jam- Given to fly)


Duplamente humana, dupla mente humana.
Uma auto definição que serviria para muitos nas mesmas agonias que eu, nas mesmas luas e fases... me orgulho da contradição, me desfaço em 3 segundos, me embaraço por muito pouco e cresço com a cara arrebentada...
A vida é muito bonita, e a carne é triste: não se salva, só se humilha, se maltrata, se faz sentir.
Faz sentido? Faz sentir...
Não me dói nenhum mergulho que dei, não me destrói nenhuma pétala desfalecida, não sou criança, nem sou menina: mulher.
Força, com todos os embaraços, com todas as horas mal calculadas, as noites acordadas, os nós por desatar, mais e mais viver, parir a experiânsia de infinito que me acompanha nas horas extremas: nos apaixonemos a cada instante, todo dia mês ano milênio segundo milésimo centésimo milésimo de centésimo de segundo...
A destruição é maravilhante a cada momento que você se dispõe a voar!
Fechei os olhos e não medi os passos...
Talvez que não seja bem o certo, talvez não seja bem o errado, mas me pergunto o que é viver, me pergunto: as pitadas de temperos a quantas andam nas mãos da lógica do mundo, a quantas andam as pitadas que eu mesma escolho no contexto?
Olha é uma coisa sem rumo, dois degraus sem rumo, sem início, sem fim...nascer e morrer.
Este breve instante entre os dois degraus é precioso.

E é nesta hora que proclamo: derrame-se! Vai passar pela vida sem respingar em ninguém???

Um comentário:

drinkmytearsasicry disse...

belíssima explanação filosófica laís. realmente a relação exterior (ambiente) e a interior (consciência) é divina de se escrever.
tudo soa meio pecado
meio puritano, embora ninguém esteja livre de ser corrompido, de respingar... parabéns, que todo esse sufoco se transforme em vapores ideológicos. beijão.